Caxias do SulSerra Gaúcha

Audiência pública sobre liberação de alvarás em Caxias do Sul

Os secretários municipais Emílio Andreazza e Mirangela Rossi falaram sobre o assunto na Câmara de Vereadores

Os secretários municipais do Urbanismo (SMU), Mirangela Rossi, e do Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Emprego (Sdete), Emílio Andreazza, participaram de uma audiência pública sobre a liberação de alvarás na noite desta segunda feira (24/06), na Câmara de Vereadores. Após a exposição de diversas lideranças empresariais e vereadores, os secretários municipais explicaram a realidade existente acerca das concessões de alvarás e carta de Habite-se no âmbito do município.

Publicidade

Segundo Mirangela, não há como o município prescindir da análise técnica quanto à autorização para o Habite-se de empreendimentos residenciais e comerciais, pela própria previsão no Código de Obras do Município, o qual a prefeitura deve fiscalizar, sob pena de favorecimento a ocupações irregulares.

“Já vínhamos trabalhando na simplificação dos códigos de Obras e Posturas do Município para agilizar procedimentos. A iniciativa do projeto é positiva, mas critérios técnicos de plano diretor e códigos devem ser levados em consideração. Temos um extenso território informal através de loteamentos irregulares e outras tantas edificações na cidade formal e precisamos criar a cultura da formalidade do regular”, disse a secretária.

Também, segundo Andreazza, o veto do Executivo ao projeto de lei complementar 10/2019 foi justificado pela infração a normas constitucionais e legais, o que acabou sendo inclusive sendo reconhecido pela Justiça, ao conceder liminar favorável ao Município, que suspendeu os efeitos da lei nº 25/2018, promulgada pela Câmara de Vereadores.

“Não podemos transformar a exceção em regra. A prefeitura tem atuado em diversas frentes para o fomento da atividade econômica no município, inclusive as licenças operacionais deferidas para empresas no município mais do que dobraram no período de 2016 a 2019. No que se refere ao projeto de lei que visava flexibilizar a concessão de alvarás e carta de Habite-se a empreendimentos, o veto realizado pelo Executivo foi sustentado porque houve violação de regras legais no projeto, inclusive do próprio Código de Obras e o Plano Diretor atualmente vigente”, explicou Andreazza.
Conforme o titular da Sdete, não se pode transmitir insegurança jurídica a empresários e empreendedores com leis que, em que pese tenham seu mérito na iniciativa, violam outros dispositivos legais e constitucionais. “O que foi inclusive reconhecido pela Justiça, que concedeu liminar ao município suspendendo os efeitos desta lei”, concluiu Andreazza.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar

Seu navegador está bloqueando os anúncios deste site.

Todo o conteúdo deste portal é 100% gratuito. Os anúncios que exibimos é a forma de manter este veículo de informação independente e comprometido somente com você leitor.