DestaquePolíciaVale do Sinos

Quadrilha do Vale do Sinos movimentava 10 toneladas de cocaína por ano

Polícia Civil, através da Delegacia de Repressão ao Crime de Lavagem de Dinheiro, DRLD/Denarc, coordenada pelo Delegado Adriano Nonnenmacher, após 5 meses de investigação, deflagrou, na manhã desta sexta feira (28), a Operação Borgata, visando desarticular uma rede de lavagem de dinheiro de importante organização criminosa sediada no Estado, principalmente no Vale dos Sinos.

Foram efetuadas buscas nas cidades de São Leopoldo, Novo Hamburgo, Campo Bom e Porto Alegre. Quatro pessoas foram presas e aproximadamente R$ 30 mil reais em espécie foram apreendidos. Além disso, no dia de hoje, estão sendo sequestrados aproximadamente entre R$ 4,5 a 5 milhões de reais em bens.

Publicidade

A investigação descobriu que líderes deste grupo, que estão recolhidos ao sistema prisional, com antecedentes criminais por tráfico de drogas, associação para o tráfico, latrocínio, roubos, homicídios, associação criminosa, organização criminosa e porte de armas, utilizam uma rede de laranjas para realizar a ocultação de bens adquiridos com dinheiro proveito do tráfico internacional de drogas e sua distribuição interna no Estado do Rio Grande do Sul.

Estes indivíduos, considerados de alta periculosidade, também controlam o tráfico na Cidade de Campo Bom e Cidades do Vale do Paranhana e Serra Gaúcha, e são responsáveis, dentro desta organização criminosa, pelas operações logísticas de entrada de drogas e armas no Estado, como cocaína, crack e fuzis, bem como ordenam e executavam homicídios nestas regiões. Os mesmos possuem condenações que ultrapassam os 50 anos.

O grupo realizou a maior parte das operações logísticas de entrada de cocaína no Estado na última década, sendo estimado que por ano toneladas entraram no Estado através desta organização criminosa, situação comprovada nas investigações e pelas apreensões realizadas pelas forças de segurança pública no período.

Publicidade

Estes associados, valendo-se de complexa rede de lavagem de capitais, utilizaram como laranjas não só familiares e comparsas, mas também amigos até sem antecedentes policiais, adquiriram bens de alto padrão ao longo dos últimos anos com o dinheiro da distribuição interna de drogas para todo o Estado do Rio Grande do Sul.

Segundo o Delegado Adriano Nonnenmacher, titular da DRLD, foi realizada uma investigação célere nesta complexa rede de lavagem de dinheiro, tendo em vista as movimentações mensais de capital espúrio na casa de milhões de reais entre as células estaduais desta organização criminosa.

O Delegado Vladimir Urach, Diretor Geral do Denarc, refere que a organização movimenta por semana cerca de R$500 mil, além da conexão de rotas de drogas trazidas do Paraguai e Amazonas, através da Colômbia e Peru, devidamente comprovadas na investigação, sendo a operação realizada hoje um importante passo no combate à lavagem de dinheiro do narcotráfico realizado pela Polícia Civil gaúcha.

A ação contou com 175 Policiais Civis, em cumprimento a 87 Ordens Judiciais de: 23 mandados de busca e apreensão, sequestro de cinco imóveis de luxo (Novo Hamburgo, Campo Bom e Lajeado/RS), bloqueio de sete contas bancárias, cinco prisões temporárias, 47 quebras de sigilo bancário, fiscal e financeiro, apreensão de dinheiro, celulares e documentos.

Etiquetas
Publicidade

Artigos relacionados

Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios