DestaqueSaúde

Conheça a inflamação que limita os corredores

Uma das causas comuns de dores nas costas e quadril dos corredores é a sacroileite. Essa dor pode ser decorrente da disfunção da articulação sacroilíaca (SI), que é a articulação entre seu sacro e ílio. A dor ocorre quando a articulação se torna rígida ou solta. Para as mulheres, a articulação é mais propensa a se soltar durante a gravidez e o ciclo menstrual.

A dor relacionada à articulação sacroilíaca pode ser semelhante à dor lombar, muitas vezes irradiando para as nádegas ou para o posterior da coxa. O tipo de dor pode ser aguda, pontiaguda ou opaca, e geralmente localizada em um lado da pélvis / região lombar, virilha ou cóccix, com ou sem sintomas de irradiação para a perna.

Publicidade

A disfunção da articulação sacroilíaca pode causar dor durante atividades diárias como: Curvar-se para frente, torcendo a lombar; Pegar algo do chão; Ficar muitas horas em pé; Espirros / tosse; Levantando-se de uma posição sentada (após muito tempo); Virando na cama; Caminhando / Correndo; e Suporte de peso no lado dolorido (atividades de apoio unipodal).

Problemas com a articulação sacroilíaca podem levar ao seu corpo a supercompensar ou mover-se de forma não natural. Causas da dor podem ser de: Diferentes tipos de artrite lombar secundária à fusão das vértebras; Cair de um lado do corpo; Hipermobilidade do quadril; Overtraining, treinos com sobrecarga; e Desequilíbrios musculares.

Embora a dor relacionada à disfunção do sacroilíaca pareça inevitável, há uma série de opções de tratamento que podem trazer alívio. A primeira coisa a tentar é descansar, o que é mais fácil dizer do que fazer para a maioria de nós corredores. Tire uma folga das atividades que estão causando dor, como correr, o que coloca estresse repetitivo na articulação.

Publicidade

Procurar um médico do esporte é crucial para encontrar a raiz da sua dor, especialmente se está limitando seus treinos ou diminuindo performance. Obter uma avaliação da sua lesão pode levar a opções que podem incluir medicação, testes diagnósticos adicionais e fisioterapia a princípio.

Tratamento
Gerenciar os sintomas atuais e evitar futuras dores, essa é a chave do sucesso. Inicialmente deve-se avaliar a amplitude de movimento e a força no quadril e na região lombar. Testes especializados podem descartar qualquer outro problema que exija intervenção médica. Para pacientes que são corredores, devemos analisar a marcha e corrida do ponto de vista biomecânico.

  • Áreas de foco podem incluir: Mecânica da corrida: melhorar a mecânica corporal, os padrões de movimento e a marcha evitarão a dor durante a corrida;
  • Órteses: usar um aparelho/cinta na sacroilíaca pode ajudar a reduzir a dor estabilizando a articulação sacroilíaca durante a atividade conhecida por agravar os sintomas;
  • Terapia manual: este tipo de tratamento prático concentra-se nos tecidos moles e articulações para reduzir a dor enquanto aumenta a amplitude de movimento. A terapia manual pode incluir massagem dos tecidos moles, liberação miofascial, mobilização articular e técnicas de energia muscular (MET) para corrigir o alinhamento pélvico.
  • Métodos mecânicos: o tratamento a quente ou a frio pode ajudar na tensão muscular e na dor, enquanto a estimulação elétrica pode ser usada para aliviar a dor;
  • Exercícios de fortalecimento: a força melhorada nos músculos abdominais inferiores, do assoalho pélvico e das nádegas estabilizará as articulações sacroilíaca e espinhal para impedir o movimento da articulação com a atividade;
  • Exercícios de alongamento: aumentar a flexibilidade dos músculos tensos das costas, quadris e membros inferiores pode aliviar o estresse na articulação sacroilíaca.

Agora é a hora de parar de sofrer com corridas dolorosa! Melhore seu pace e reduza sua dor com a ajuda de um especialista em esporte e alcance melhor na sua próxima corrida! Nós estaremos lá com você na linha de partida!

Ana Paula Simões é Professora Instrutora da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo e Mestre em Medicina, Ortopedia e Traumatologia e Especialista em Medicina e Cirurgia do Pé e Tornozelo pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. É Membro titular da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia; da Associação Brasileira de Medicina e Cirurgia do Tornozelo e Pé, da Sociedade Brasileira de Artroscopia e Traumatologia do Esporte; e da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte

Publicidade

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar