Saúde

Fratura por estresse do metatarso

Normalmente, a fratura por estresse do metatarso é por uso excessivo em um atleta que está com sobrecarga, seja biomecânica ou metabólica. Muitas vezes, a fratura por estresse pode ser tratada por uma eliminação a curto prazo da corrida e outro impacto repetitivo no pé, mas em alguns casos , faz-se necessário correções de postura, pisada e correções de deficts energéticos.

Geralmente o paciente não se lembra de uma lesão específica que iniciou os sintomas. Como neste caso, pode-se notar dor que vem aumentando à medida que o treinamento ou a cadência aumentam. Muitas vezes a dor vem depois de um certo período de tempo e desaparece com o descanso. À medida que o problema se agrava, a dor muitas vezes começa mais cedo e mais cedo na sessão de treinamento, e muitas vezes a dor continua apesar do descanso da atividade. À medida que se torna ainda mais grave, progredindo para uma fratura por estresse, as atividades da vida diária, como caminhar, tornam-se dolorosas.

O exame do pé lesionado por um médico do esporte geralmente revela um ponto muito específico de sensibilidade no local da fratura por estresse – neste caso, ao longo dos ossos longos do pé. Pode haver algum inchaço neste local, mas muitas vezes o pé parece normal.

Um exame de raios-x pode ser negativo nas semanas após o início da dor. Se o médico estiver bastante preocupado com a possibilidade de uma fratura por estresse, ele poderá solicitar uma tomografia óssea ou uma ressonância magnética (RM). Ele também pode optar por esperar alguns dias e restringir as atividades do atleta. Na imagem desse caso como já foi evidenciado a fratura óssea, a RM ajudou a descartar alterações de tecidos, mas observem que o osso já estava com inflamações (branco) denotando sinais de edema ósseo

A maioria das fraturas por estresse do metatarsal é curada sem cirurgia. Evitar a atividade ofensiva, como correr, é crucial. Proteger o pé com uma bota ou sapato de proteção pode ajudar. Ocasionalmente, colocar o paciente em muletas é necessário para diminuir a dor.

Dependendo da localização, no entanto, algumas fraturas podem exigir tratamento cirúrgico. A fratura por estresse metatársico mais comum para a qual a cirurgia é recomendada é aquela em um local específico no quinto metatarsal, numa região onde estatisticamente a consolidação é prejudicada pela vascularização pobre.

Cirurgia para essas fraturas geralmente envolve colocar um parafuso dentro do osso. Este tratamento cirúrgico é especialmente recomendado para fraturas com grau elevado de encurtamento, desvio ou rotação ou atletas de alto nível.

A prevenção de fraturas por estresse também é importante. Mulheres na pós-menopausa e jovens atletas do sexo feminino correm risco se tiverem baixa densidade óssea ou a antiga tríade da mulher atleta, hoje conhecida como síndrome de déficit energético. Este fato é especialmente verdadeiro se o atleta tiver um estado nutricional deficiente e irregularidades hormonais. A avaliação da densidade mineral óssea, nutricional, metabólica e biomecânica é importante nesses atletas, bem como em atletas com histórico de fratura por estresse anterior.

Ana Paula Simões é Professora Instrutora da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo e Mestre em Medicina, Ortopedia e Traumatologia e Especialista em Medicina e Cirurgia do Pé e Tornozelo pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. É Membro titular da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia; da Associação Brasileira de Medicina e Cirurgia do Tornozelo e Pé, da Sociedade Brasileira de Artroscopia e Traumatologia do Esporte; e da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte

Publicidade
Etiquetas
Publicidade
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios