Polícia

Polícia Civil conclui investigações sobre homicídio em Porto Alegre

A Polícia Civil, por meio da 5ª Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa, encerrou as investigações do crime de homicídio que vitimou um homem de 33 anos, ocorrido em 21 de junho deste ano, por volta de 21h, na Rua Itapema, Vila Jardim, em Porto Alegre.

Segundo a delegada Roberta Bertoldo, apurou-se, ainda na noite do fato, que a vítima estava em frente a sua casa quando lá estiveram cerca de quatro indivíduos os quais, depois de efetuarem disparos de arma de fogo, o colocaram no interior de um veículo New Fiesta, cor branca, levando-o para local ignorado.

Publicidade

Logo depois do crime, circulou pelas redes sociais uma imagem da vítima já morta com uma faca na boca e pistolas sob o abdômen, acompanhada da mensagem de uma facção criminosa. Diligências investigatórias comprovaram que a imagem fora captada a partir do próprio celular da vítima e encaminhada para grupo criminoso rival.

“A motivação do crime se baseou no fato da vítima ter viabilizado a execução de um líder criminoso no dia 02 de junho no bairro Bom Jesus. Impelidos pela vingança, o grupo planejou minuciosamente a execução da vítima a partir do acompanhamento de suas redes sociais e atividades diárias”, disse a delegada Roberta.

Na data do homicídio, inúmeras pessoas participaram de atos preparatórios, de execução e de exaurimento do crime. Após ser arrebatado da Vila Jardim, a vítima foi levada até uma determinada área da Capital onde foi esquartejado e enterrado, teve um dos dedos retirado para que os criminosos pudessem desbloquear seu aparelho, já que conteria a identificação dos autores do crime que vitimou o líder.
Em seguida, incendiaram o carro usado na empreitada criminosa. A prisão de um dos autores do homicídio, três dias depois, por porte ilegal de arma de fogo, possibilitou que novas investigações pudessem ser implementadas e que confirmaram a participação de outro indivíduo e que embasou a decretação de sua prisão temporária por 30 dias. Interrogado, o indivíduo admitiu a autoria e esclareceu alguns detalhes do plano, mas preservou seus comparsas, não os identificando.

Publicidade

A diretora do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa, delegada Vanessa Pitrez de Aguiar Correa, e o Diretor da Divisão de Homicídios, Eibert Moreira Neto, destacaram a rapidez e a efetividade da investigação que culminou com a identificação da motivação do crime, prisão de um dos autores e, principalmente, a localização dos restos mortais da vítima.

Publicidade

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar