Saúde

Ceratocone: doença pode levar à cegueira

Os olhos requerem cuidados especiais, principalmente nos casos de algumas condições que podem favorecer o aparecimento de doenças pouco conhecidas, como o ceratocone.

Ceratocone é uma condição rara em que a córnea, o tecido transparente na superfície que cobre o olho, se afina e se curva para fora, adquirindo um aspecto de um cone. Por ano, ocorrem até 150 mil casos só no Brasil.

Publicidade

Sua causa está ligada a questões genéticas, tendo como fator de risco o ato de coçar os olhos constantemente. A condição costuma surgir na adolescência ou no princípio da vida adulta, quando ocorre a progressão, e tende a estabilizar por volta dos 30 – 40 anos de idade.

Pelo fato de a córnea ser afetada na parte saliente e visível do envoltório externo do globo ocular, o aumento de curvatura e diminuição da espessura fazem o olho adquirir um aspecto cônico nas fases mais avançadas, quando são bem evidentes. Na grande maioria, as alterações são visíveis somente através do exame oftalmológico, ou através do exame ceratoscopia computadorizada. Devido à alteração da refração da luz dentro do olho, a visão formada na córnea fica turva, distorcida, dupla ou embaçada. Além disso, há muita sensibilidade à luz e à claridade. Outros sintomas incluem astigmatismo, miopia, perda de visão ou incapacidade de enxergar em ambientes com pouca luz.

Atualmente, com os métodos de exames oftalmológicos, o diagnóstico pode ser realizado de maneira precoce, possibilitando o tratamento logo nas fases iniciais da doença. O tratamento clássico para o ceratocone consiste em uso de óculos ou lente de contato rígidas e até gelatinosas. Quando há necessidade de indicação de tratamento cirúrgico, este pode ser realizado através de implante de anéis intraestromais, ou até transplante de córnea.

Publicidade

Quanto ao diagnóstico e progressão do ceratocone, hoje há um tratamento que consiste em estabilizar a doença chamado de Crosslink. Com exceção do transplante de córnea, todos os demais tratamentos costumam ser ambulatoriais e com resultados dentro de 30 dias.

*Dr. Alexandre Misawa é oftalmologista do HSANP, centro hospitalar da Zona Norte de São Paulo

Etiquetas
Publicidade

Artigos relacionados

Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios