DestaqueSaúde

Os cinco tipos mais comuns de demência

Perda de memória, dificuldade para falar e fazer algumas atividades, confusão mental e alterações de personalidade podem ser indícios de demência. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), o número de casos dessa doença vai triplicar e atingir cerca de 152 milhões de pessoas até 2050 em todo o mundo. E o diagnóstico precoce é fundamental para eleger o melhor tratamento, cirúrgico ou não cirúrgico, e garantir mais qualidade de vida para quem é acometido por essa condição.

“Embora não exista cura, há opções terapêuticas bastante eficientes que ajudam a retardar a evolução da doença. Por isso, é importante a avaliação e o acompanhamento médico, além de manter uma dieta balanceada, a prática de atividades físicas, não fumar e estimular o cérebro por meio de leitura e de outras atividades que mantenham esse órgão ativo para diminuir as chances de desenvolver a demência”, explica Júlio Pereira, neurocirurgião da Beneficência Portuguesa de São Paulo. O especialista relaciona os 5 tipos mais comuns de demência:

Publicidade

Alzheimer: doença neurodegenerativa que afeta as funções cognitivas (memória, atenção, linguagem e percepção) e interfere na personalidade e no comportamento da pessoa. Há perda de memória recente.

Demência vascular: geralmente acomete pessoas que apresentam fatores de risco vascular como hipertensão, diabetes e acidente vascular encefálico (AVE). É mais comum em homens acima dos 70 anos de idade.

Demência frontotemporal: costuma afetar a personalidade, o comportamento, o raciocínio e a atenção. Em muitos casos, a linguagem é mais prejudicada do que a memória. Mais comum em mulheres, o primeiro sinal dessa doença é uma crise de depressão tardia. Em seguida apresenta distúrbios comportamentais, como desinibição, falta de higiene pessoal, agressividade e desatenção, além de alterações na fala.

Publicidade

Hidrocefalia crônica do idoso (HPN): os principais sintomas são dificuldade de locomoção, descontrole urinário e perda de memória. Essa doença é causada pelo acúmulo de líquor, um líquido responsável pela proteção do sistema nervoso central e pela manutenção do metabolismo cerebral, nos ventrículos do cérebro.

Demência senil: é a perda progressiva e irreversível da memória, raciocínio e linguagem, apresentando dificuldade de reconhecer pessoas e objetos.

Publicidade

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar