DestaqueRio Grande do Sul

Defesa Civil de Camaquã faz reunião com setores da agricultura

Nesta quinta-feira (16), o prefeito em exercício e coordenador da Defesa Civil em Camaquã, Jair Martins, esteve reunido em seu gabinete com o coordenador estadual da 4ª CREPDEC, tenente coronel Leonardo Nunes e representantes da Emater, AUD, Sintraf e Corpo de Bombeiros, além dos secretários Rafael de Moura e Luis Carlos Evangelista, como também representante da Secretaria de Desenvolvimento Social e o coordenador político Diego Garcia, para tratar assuntos referentes a estiagem que trouxe prejuízos ao setor agrícola em Camaquã.

Um dos assuntos tratados foi os procedimentos necessários para o processo de reconhecimento e homologação do Decreto nº 22.950, de 02 de janeiro de 2020, o qual declara situação de emergência nas áreas do município de Camaquã.Também foi tratado sobre futuros projetos de prevenção a estiagem que possa a vir ocorrer na região.

A estiagem se caracteriza como um período prolongado de ausência de chuva, em que a perda de umidade do solo é superior a sua reposição.
Neste momento o município tem o prazo de 20 dias a partir da decretação da situação de emergência para a comprovação das perdas junto ao Governo do Estado e Federal.

Efeitos da estiagem
Pode ocorrer o racionamento de água disponível para consumo humano e animal;
Prejuízos à agricultura e à pecuária;
Redução da quantidade de água disponível nos reservatórios e, dependendo da intensidade, também a disponibilidade de água subterrânea;
A diminuição da umidade do ar pode afetar a saúde humana.

Quando ocorre a estiagem?
A estiagem inicia sem nenhum anúncio por parte de fenômenos climáticos ou hidrológicos;
Pode estar associada ao efeito “la niña” na região Sul do Brasil;
Ocorre de maneira menos perceptível que os demais, a sua progressão é mais lenta e sua duração maior;
Pode atingir grandes proporções e ter sua recuperação de modo lento.

Como minimizar os danos causados pela estiagem?
Construção de açudes para utilização de animais e irrigação;
Construção ou instalação de cisternas, para captação e uso de água da chuva, tanto na área rural, quanto urbana;
Evitar colocar lixo ou poluir rios, riachos e arroios;
Diversificar culturas, principalmente na propriedade familiar e desenvolver práticas de manejo que visam garantir a subsistência alimentar da pequena propriedade;
Poupar água sempre e, nos períodos de estiagem, evitar uso desnecessário, que pode conduzir ao racionamento;

Publicidade

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo