Publicidade
Caxias do Sul

Mortes no trânsito caem 55% em Caxias do Sul

Levantamento aponta para o registro de 27 vítimas fatais em vias municipais, no ano passado

Estatísticas da Secretaria de Trânsito, Transportes e Mobilidade (SMTTM) de Caxias do Sul indicam redução de 55% no número de óbitos em acidentes de trânsito, no ano passado em relação ao anterior. As 27 mortes representam o menor número desde 2007. Além da contínua fiscalização para inibir o descumprimento da legislação de trânsito, também houve influência da redução de veículos e pedestres em circulação em função da pandemia.

Das 27 ocorrências fatais, nove ocorreram na ERS-453 (Rota do Sol) e cinco na RS-122. Nas ruas centrais do município, duas fatalidades: na rua Sinimbu, em frente à Praça Dante Alighieri, e no cruzamento da Moreira César com Ernesto Alves. Os demais sinistros foram registrados na BR-116 (dois); nas estradas municipais Água Azul, em Santa Lúcia, e Waldemar José Pante, em Criúva (um em cada); na Avenida Arthur Perotoni, em Forqueta, e nas ruas Olímpio Susin, no Bairro Santa Fé, e Caetano Fochesatto, no Bairro Kayser.

Publicidade

As principais causas de mortes foram colisões entre veículos (14) e atropelamentos (sete). Ainda houve dois choques contra objetos fixos, duas quedas de motocicletas, um tombamento de veículo e outro sem especificação da causa. O perfil das vítimas é prioritariamente formado por homens. Apenas duas vítimas eram mulheres.

No período entre janeiro de 2007 e dezembro de 2020, houve 721 mortes no trânsito de Caxias do Sul, com média de quatro ocorrências por mês. Nos 168 meses compreendidos no estudo, em apenas sete não houve perdas de vidas. Antes de 2020, o menor indicador havia sido registrado em 2018, com 33 óbitos.

Publicidade
Ano Números de Mortes Variações
2007 50  –
2008 62 +24%
2009 64 +3,2%
2010 67 +4,7%
2011 61 -9%
2012 57 -6,5%
2013 54 -5,3%
2014 52 -3,7%
2015 48 -7,7%
2016 34 -29,2%
2017 52 +52,9%
2018 33 -36,5%
2019 60 +81,8%
2020 27 -55%

 

Publicidade

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo