AgronegócioSanta Catarina

Planalto Norte de SC precisa fortalecer o setor do agronegócio, aponta Emilio Schramm

Agronegócio contribui para fomentar comércio e serviços. Dados do IBGE indicam que os setores são a maior fatia da economia da região

O desenvolvimento dos municípios do planalto norte catarinense impõe a valorização do agronegócio para o fortalecimento da economia. Em visita a lideranças empresariais da região nesta semana – em Mafra, Canoinhas, Rio Negrinho e São Bento do Sul – Emilio Schramm, vice-presidente da Fecomércio/SC, ressaltou esta necessidade, apontando soluções. “Em algumas cidades existe uma indústria moveleira tradicional e exportadora, mas em outras ainda é preciso desenvolver suas vocações que gerem renda para fomentar o comércio e serviços”, afirma.

Dados do IBGE (2019) indicam que comércio e serviços representam a maior fatia da economia da região (39,4%), seguidos pela indústria (29,8%) e agronegócio (16,6%). “O fortalecimento da agropecuária é essencial ao crescimento”, ressalta. “A representatividade econômica ainda é baixa, já que o planalto norte é responsável por apenas R$ 8 bilhões dos R$ 263 bilhões de riquezas geradas em Santa Catarina em 2020, de acordo com a Associação dos Municípios da região (Amplanorte)”, exemplifica.

Apesar de a indústria madeireira ser o alicerce para o crescimento do planalto norte, ainda é necessário agregar valor às culturas da região, como a erva-mate, o fumo, o feijão e a soja. “O exemplo do setor moveleiro é perfeito para a transformação de commodities em bens de consumo”, garante, dando o exemplo da silvicultura (produção florestal) e a utilização da madeira na transformação em papel e celulose.

Infraestrutura – O desenvolvimento do planalto norte também passa pelo incremento da infraestrutura. Segundo Schramm, a aguardada duplicação da BR 280 é uma peça-chave. “Temos de dar a devida atenção à boa vontade do Governo Estadual em investir R$ 50 milhões em recursos próprios para a obra. E cobrar ao máximo esta realização”, enfatiza, reforçando que a região tem portos próximos, uma ferrovia ativa, aeroporto empresarial e várias rodovias, que precisam de recuperação e ampliação, como a BR 116, que também liga o norte do estado ao Paraná.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Nosso site usa cookies para melhorar sua experiência de navegação. Mais informações

As configurações de cookies neste site são definidas para "permitir cookies" para fornecer a você a melhor experiência de navegação, anúncios relevantes e maior segurança do usuário. Se você clicar em "prosseguir", vamos entender que está satisfeito com ele. Consulte nossa Política de Privacidade.

Fechar