Destaque

Mapa do Emprego 2018 traz radiografia do emprego formal no Estado

atendimento 436x468 - Mapa do Emprego 2018 traz radiografia do emprego formal no Estado

O Rio Grande do Sul apresentava 2.910.883 postos de trabalho formal em 2016, segundo dados da 7ª edição do Mapa do Emprego, divulgado pela Fecomércio-RS nesta segunda-feira (26). Realizado com base na RAIS de 2016, o levantamento indica que o setor terciário privado gaúcho representa 54,15% do emprego formal no Rio Grande do Sul. O Mapa do Emprego busca se tornar um instrumento de diálogo entre sindicatos patronais, laborais e governo, uma vez que traz dados compilados oficiais e atualizados sobre o mercado de trabalho formal. O documento completo pode ser acessado aqui.

Com uma remuneração média mensal de R$ 2.201,94, em 2016, os postos formais no setor terciário privado são ocupados na sua maioria, por mulheres (795.620 ou 50,5%). A idade média do trabalhador é de 36,04 anos e o tempo médio de permanência no cargo é de 50,24 meses. Quase a metade dos trabalhadores (49,54%) possui Ensino Médio completo e a maioria (863.888) atua em estabelecimentos localizados na Mesorregião Metropolitana. Do total de estabelecimentos do setor terciário privado do Estado, 31,37% são optantes pelo regime tributário Simples.

O segmento de comércio (varejo, atacado e comércio e reparação de veículos automotores e motocicletas) concentra 38,79% dos empregos formais do setor terciário privado do Estado e 21,01% de todos os postos formais da economia gaúcha. Os postos de trabalho são ocupados predominantemente por homens (52,9%). Em média, os trabalhadores têm 33,5 anos e permanecem, também em média, 39,82 meses no mesmo vínculo de emprego. O Ensino Médio completo é a graduação principal (57,18%) entre os trabalhadores do comércio, segmento que registrava, em 2016, uma remuneração média mensal de R$ 1.770,04.

Em relação apenas ao comércio varejista, o Mapa do Emprego mostra que a força feminina de trabalho predomina no segmento – onde 54,12% são trabalhadoras, ou 243.543 vínculos de um universo de 450.031 empregos neste segmento. O varejo representa 73,60% do emprego no setor do comércio e 28,55% no setor terciário como um todo. A remuneração média mensal, em 2016, foi de R$ 1.626,59.

atend 391x468 - Mapa do Emprego 2018 traz radiografia do emprego formal no EstadoNo ramo atacadista são 99.606 empregados – 16,29% do total do setor de comércio e 6,32% do setor terciário. Os vínculos são ocupados na maioria por homens (69,1%) que recebem um salário médio mensal de R$ 2.255,75. A idade média de 34,90 anos e permanecem, em média, 46,33 meses no emprego.

O segmento de serviços apresenta o maior peso dentro do setor terciário privado – 61,21% dos empregos formais (964.771 trabalhadores) e chega a 33,14% do total da economia do Rio Grande do Sul. O Mapa do Emprego mostra ainda que as mulheres predominam nas atividades ligadas ao setor de serviços: são 52,6% do contingente. A idade média de quem atua no segmento é de 37,65 anos e o tempo médio de permanência no emprego é de 56,85 meses. A remuneração média mensal para essa categoria em 2016 foi de R$ 2.475,68.

Outros dados do Mapa do Emprego 2018( Base Rais 2016)

  • Considerando todos os setores em 2016, o total de vínculos formais foi de 2.910.883 .
  • A remuneração média mensal do trabalhador gaúcho formal, em 2016, foi de R$ 2.552,41
  • A maioria dos vínculos são ocupados por homens: representam 53,7% do contingente.
  • Do total, 42,30% têm Ensino Médio completo; 18,75% possuem graduação em curso superior.
  • Do total de trabalhadores formais do Estado, 1.514.353 atuam em estabelecimentos da Mesorregião Metropolitana.
  • No setor de comércio, o Ensino Médio completo é realidade para 57,18% dos vínculos de trabalho.

O serviço de transporte terrestre é a atividade que mais apresenta vínculos do sexo masculino: 87,3% do contingente do segmento. A mesma disparidade, agora em relação à mão de obra feminina, é percebida no ramo de serviços ligados a atenção à saúde. Nesta área, o contingente de trabalho formal é formado na sua grande maioria por mulheres (79,8%).

Artigos relacionados