DestaqueRS

Venezuelanas participam de curso de corte e costura em Esteio

Em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), a Secretaria Municipal de Cidadania Trabalho e Empreendedorismo (SMCTE) está promovendo, até hoje (25), no Centro de Artes e Esportes Unificados (Ceu), o curso de Introdução à Costura e Transformação das Peças do Vestuário para um grupo de 10 venezuelanas que ainda não estão empregadas. A atividade tem apoio da Secretaria Municipal de Cultura, Esporte e Lazer (SMCEL) e teve intermediação da vereadora Fernanda Fernandes.

A instrutora Elizete Mognon afirma que o curso pode beneficiar de diversas formas a vida dessas mulheres. “Elas produzirão aproximadamente 35 peças de roupas que poderão levar para uso pessoal. Aqui, elas aprenderão também como produzir essas peças para gerar lucro. Ao final do curso, elas receberão os certificados de participação, que também podem ser acrescentados no currículo pessoal”, explica Elizete.

Publicidade

A titular da SMCTE, Tatiana Tanara, ressaltou que a ação vai muito além de ser apenas um curso. “A ideia dessa parceria entre com o Senar é gerar autonomia e, consequentemente, renda para essas pessoas. O grande objetivo é que elas se tornem protagonistas da sua história”, enfatizou Tatiana.

Uma das participantes da oficina é a refugiada Nadia Hernandez, 47 anos. A venezuelana conta emocionada que era artesã em seu país, mas teve que deixar tudo quando o neto ficou em grave estado de saúde. “Perdi mais de 40 quilos em menos de um ano vivendo lá. Nós não queríamos sair, mesmo nessas condições, ficamos até o último segundo, mas quando meu neto, de apenas oito meses, precisou de atendimento médico e nós soubemos que não teriam condições de atendê-lo, decidimos que era a hora de vir. Eu não queria perder meu neto ou qualquer integrante da minha família”, relatou.

Nadia revelou que ainda não havia feito curso, mas vendia artesanatos como forma de renda. “Antes dessa crise, eu fazia muitas coisas em crochê. Vendia bolsas, cintos, niqueleiras, meias, tudo artesanal. Nunca fiz curso, essa é a primeira vez e eu espero poder retomar o que fazia, vendendo as peças”, contou. No final da oficina, as participantes desfilarão para o grupo algumas das peças confeccionadas e receberão o certificado de conclusão do curso.

Publicidade
Etiquetas
Publicidade

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar