ONU lembra importância dos exames para identificar HIV

Teste de HIV em Moçambique. Foto: PEPFAR/Sarah Day Smith

Em 2017, 9,4 milhões de pessoas no mundo não sabiam que estavam infectadas com HIV. O número preocupa o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (UNAIDS), que faz um apelo para que todos conheçam seu estado sorológico. Em mensagem para o Dia Mundial contra a AIDS, lembrado no 1º de dezembro, o organismo ressalta que a informação sobre ter ou não o vírus pode salvar vidas, além de proteger famílias e parceiros de quem é soropositivo.

Segundo a pesquisa do UNAIDS Conhecimento é Poder, divulgada em novembro, em torno de 37 milhões de pessoas em todo o mundo viviam com HIV em 2017 (com margem de erro de 31,1 milhões a 43,9 milhões). Desse contingente, 75% sabia que possuía o vírus. Mas quase 10 milhões desconheciam seu estado sorológico.

“Este ano marca o 30º aniversário do primeiro Dia Mundial contra a AIDS. Trinta anos de ativismo e solidariedade sob a bandeira do Dia Mundial contra a AIDS. Trinta anos de campanha pelo acesso universal a serviços capazes de salvar vidas, tratar e prevenir o HIV”, afirmou o diretor-executivo da agência da ONU, Michel Sidibé. “Mas depois de 30 anos, a AIDS ainda não acabou. Nós temos um longo caminho a percorrer”, alertou o dirigente.

Sidibé explicou que quem desconhece seu estado sorológico não consegue iniciar o tratamento antirretroviral, em caso de infecção pelo HIV. Em contrapartida, os indivíduos que não vivem com HIV, mas também não têm acesso à testagem, deixam de obter o conhecimento e as competências de que precisam para se manter soronegativos.

O chefe do programa das Nações Unidas disse ainda que a AIDS é “uma doença potencialmente letal, mas tratável”. “Se as pessoas não conhecem seu estado sorológico, elas não podem se proteger, proteger suas famílias, seus parceiros”, acrescentou Sidibé. O UNAIDS também chama atenção para a necessidade de tornar universal o acesso ao exame de carga viral. Esse teste é usado por pessoas HIV-positivas para monitorar a presença do vírus no organismo. A técnica permite identificar se o agente patogênico está sendo suprimido pelos medicamentos antirretrovirais. Na avaliação do chefe de UNAIDS, “se as pessoas que vivem com HIV não conhecem sua carga viral, elas não terão certeza de que o tratamento é eficaz, protegendo sua saúde e interrompendo a transmissão do HIV”. “Viva a vida positivamente. Conheça seu estado sorológico para o HIV”, concluiu o dirigente.