DestaqueNegócios

Escritura de imóveis 100% pela internet

Inovação tecnológica da escritura pública eletrônica e remota é caminho positivo, e sem volta, para o mercado imobiliário

A aprovação da escritura pública eletrônica (Prov. CNJ 100/20) em todo o território nacional é herança da pandemia para a era pós-Covid-19 que permite comprar e vender, no segmento imobiliário, sem sair de casa. Com a nova decisão, 26 estados brasileiros (exceto o Acre) e o Distrito Federal podem efetuar serviços de cartório, como escritura de imóveis, 100% pela internet – dispensando a visita presencial que era obrigatória até então.

Publicidade

Segundo Marcos Prado, sócio em Imobiliário do Cescon Barrieu e especialista em Direito Contratual, Urbanístico, Notarial, Registral e Imobiliário, a inovação tecnológica da escritura pública eletrônica e remota é um caminho muito positivo para o mercado imobiliário e sem volta. “Representa uma revolução digital de grande relevância para o setor. Promovê-la com segurança e confiança implica mudar a cultura e a prática do setor, ao longo de anos”, afirma Marcos Prado.

Com isso, entra em vigor um sistema padronizado e válido nacionalmente que viabiliza a realização de serviços notariais de forma eletrônica e remota. “Os cartórios estão autorizados a lavrar de forma eletrônica e remota a escritura de um imóvel totalmente sem a presença do comprador e do vendedor, por exemplo, em todo o território nacional. A validação dos documentos passa a ser feita por meio de um certificado digital no padrão ICP-Brasil”, explica o especialista. Isso vai permitir e agilizar o intercâmbio de documentos e o tráfego de informações e dados nessas transações.

Para realizar as escrituras públicas, atas de notário e procurações públicas durante esse período, a pessoa jurídica ou pessoa interessada deve identificar-se e expressar suas declarações de vontade e concordância com a transação legal por meio de videoconferência ou outro recurso tecnológico para a transmissão de sons e imagens; fé pública e responsabilidade pessoal do notário; e certificado digital no padrão ICP-Brasil, que será responsável pela validação da assinatura das partes no documento.

Segundo o advogado, a competência para realizar atos notariais remotos seguirá a jurisdição territorial do cartório, com base na localização do imóvel envolvido. Para todos os outros casos, a execução da escritura seguirá o domicílio das partes. Para procurações públicas, o cartório competente será o domicílio do outorgante. No caso de atos executados por uma pessoa jurídica, será considerada como identificação a sede da matriz ou de sua subsidiária em relação aos negócios realizados no local.

“Essa é uma conquista que veio para ficar por conta da necessidade gerada pela atual pandemia mundial da saúde, como uma evolução há muito esperada pelo setor”, conclui.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar

Seu navegador está bloqueando os anúncios deste site.

Todo o conteúdo deste portal é 100% gratuito. Os anúncios que exibimos é a forma de manter este veículo de informação independente e comprometido somente com você leitor.