AgronegócioBrasilNegócios

Figueira e Santa Tecla levam prêmios da raça Charolês

A Charolês Figueira, de Arambaré (RS), e a Cabanha Santa Tecla, de Abelardo Luz (SC), levaram para casa os grandes prêmios de 2020 concedidos pela Associação Nacional de Criadores Herd Book Collares (ANC) na raça Charolês. O anúncio foi realizado na noite desta quarta-feira (2/9), durante live do Dia do Charolês, programação que integra o Seminário Virtual Promebo 2020. O evento, que tem apoio da Embrapa, contou com mediação da superintendente da ANC, Silvia Freitas, e segue nesta quinta-feira (3/9) com encontro sobre a raça Brangus, às 19h.

A propriedade de André Corrêa Berta fez dobradinha ao conquistar o prêmio Supremacia Genética com o touro Jotabê 5972 (índice final de 41,64) e o Difusão Genética com o macho Jotabê Intimidator 5357 BR #, que teve 103 filhos registrados. Segundo o jurado e ex-presidente da Associação Brasileira de Criadores de Charolês (ABCC), o trabalho da Figueira iniciou-se em 1964 pelas mãos de seu pai Antônio Carlos Berta, ainda em Camaquã (RS). À frente da propriedade desde 1983, Berta diz que os prêmios conquistados nesta noite são reconhecimento ao trabalho de toda família, que hoje conta com o reforço de seu filho Antônio Carlos, além de uma qualificada equipe de campo. Empolgado com o resultado, Berta disse que essa foi a primeira vitória da Figueira no Supremacia Genética, feito que, de acordo com ele, está ao alcance de todos. “Faça o Promebo, acompanhe as gerações e os acasalamentos. O segredo de seleção não é ter as melhores vacas e os melhores touros. O diferencial é saber acasalar e conhecer o que os touros e as vacas imprimem”, aconselhou. Ao enaltecer o trabalho da ANC e do Promebo no fomento as raças de corte, continuou: “A ANC não é um cartório de registro. Tem um corpo técnico maravilhoso.”

Berta ainda pontuou a força do touro Jotabê Intimidator, vencedor do Difusão Genética 2020. “É um exemplar diferenciado, o que notamos logo que nasceu por suas características fenotípicas. Ele já está contratado e difundindo sua genética em todo Brasil tanto em plantéis puros quanto no cruzamento”, salientou. Entre as características mais marcantes do reprodutor, citou ele, estão os escores relacionados à produção de carne e ganho de peso. “É um touro com DEP muito positiva, imprimindo comprimento, volume de carne. É muito homogêneo.”

A Cabanha Santa Tecla, de Jamil Deud Jr., conquistou o Difusão com a fêmea Santa Tecla 1484 Meia Lua, com 17 filhos registrados no último ano, mas que tem mais de 30 já paridos. O criador pontuou que o mérito é tão ou mais importante do que os grandes campeonatos obtidos nas pistas de grandes exposições. “É uma maneira de entusiasmar e difundir o trabalho das propriedades. Isso vem contemplar os bons animais que trazem progresso genético para a raça e para os criatórios”, frisou, lembrando que, em 2019, o prêmio também foi conquistado por ventre da Santa Tecla.

Referindo-se à vaca Santa Tecla 1484 Meia Lua, Deud Jr. indicou que ela é o sonho de todo selecionador. “Desde que meu pai e minha mãe começaram a cabanha, sempre priorizamos ganho econômico e produção e que os animais tivessem características funcionais. Esse ventre produz animais produtores, pesados e de muita correção funcional, que caminham bem, têm genética de parto fácil, pelo fino e boa produção leiteira. É uma vaca que simboliza os mais de 60 anos da Santa Tecla com muito gosto pelo Charolês”, concluiu, lembrando que os filhos de Meia Lua acumularam prêmios e boa valorização em pistas pelo Brasil.

Logo após a premiação, criadores foram convidados a participar de debate técnico que contou com o presidente empossado no dia 24 de agosto para a ABCC, Cesar Adams Cezar. Aproveitando para apresentar seus projetos para a nova gestão, ele sinalizou que pretende expandir o uso da raça no cruzamento industrial e difundir as qualidades que fazem do Charolês uma ferramenta ideal para produção de carcaças diferenciadas. “Queremos divulgar para fora das propriedades os resultados que a Charolês vem nos trazendo ao longo dos anos. A raça está em um grande momento, com leilões com demanda total e preços magníficos.”

Criador e avaliador do Promebo, André Gomes citou a ampla capacidade de adaptação à alimentação do Charolês, característica posta à prova pela Embrapa em Bagé (RS). “Os resultados vêm nos surpreendendo em um excepcional ganho de peso a campo de mais de 1,5 quilo por dia. Isso nos dá segurança de estarmos trabalhando com a raça com maior capacidade de transformação de pasto em carne. Também obtemos o acabamento adequado ao que o mercado busca”, frisou.

Berta destacou os avanços obtidos pela raça em relação à oferta de informações disponíveis aos reprodutores inscritos no Promebo. Citou o resultado de ultrassonografia de carcaça e das provas de eficiência realizadas em parceria com a Embrapa como exemplos desse upgrade de dados que servem tanto para o selecionador quanto ao usuário. Prova desse ganho, citou ele, é o aumento da presença de touros Charolês contratados por centrais de inseminação.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo