Como comprar imóvel no exterior

Remessa Online preparou dicas para quem pretende investir ou morar em outros países

De uns anos para cá, com a crise política e econômica que o Brasil vive, muitos brasileiros trocaram o sonho de passear no exterior para morar em países diferentes. Um dos principais destinos é os Estados Unidos, mas a Europa também tem sido alvo de muitas pessoas. Pensando nisso, a Remessa Online, plataforma de transferências internacionais totalmente online, preparou algumas dicas para comprar imóveis no exterior. Confira:

Estados Unidos

1. Se a compra for à vista, o processo de compra pode ser feito no Brasil de forma simples e rápida, em menos de duas semanas, evitando até a necessidade de visto; 
2. Após a escolha do imóvel, o comprador envia os recursos para sua própria conta no exterior, previamente aberta, como remessa de patrimônio;
3. Depois, esse valor é transferido para a conta “escrow” (fiduciária) e os advogados fazem toda a transação, inclusive verificação jurídica do vendedor e do imóvel;
4. Para comprar à vista são necessários os seguintes documentos: Cópia do Passaporte: páginas 1 e 2; Comprovante de endereço; Prova de que tem dinheiro para comprar (cópia de extrato bancário ou demonstrativo de aplicação financeira);
5. Para aquisições financiadas são necessários passaportes com visto válido, comprovante de residência e comprovação de renda financeira;
6. Todos os negócios imobiliários nos Estados Unidos são realizados por meio das “Title Companies” (Companhias de Títulos).

Portugal

1. Processo semelhante ao brasileiro, ou seja, bastante burocrático;
2. A escolha do imóvel por ser feita em sites como o Casa Sapo ou o Imovirtual;
3. O passo seguinte é eleger um representante local, que será responsável pelo pagamento dos impostos referentes à transação. A lei exige que donos de imóveis ou seus representantes tenham domicílio no país ou em outras nações da União Europeia;
4. A compra pode ser realizada por escritura pública ou por meio de um advogado particular;
5. O contrato deve ser registrado em um cartório de notas no país;
6. O custo total da transação, com impostos, varia entre 10% e 15% do valor do imóvel;
7. Em Portugal, existe o Balcão Casa Pronta que permite fazer todas as operações necessárias para celebrar o contrato de compra e venda;
8. Quem adquirir um imóvel que tenha sido construído há mais de 30 anos e que tenha um valor acima de 350 mil euros recebe a Autorização de Residência Especial para Investimento (ARI), que permite a livre circulação pelos países da União Europeia.

Reino Unido

1. Ter um imóvel no Reino Unido, que abrange Escócia, Inglaterra, Irlanda do Norte e País de Gales, é um processo mais simples e facilita a permanência no território;
2. Por meio dos sites Rightmove e Zoompla, é possível encontrar oportunidades e comparar preços;
3. É possível contratar serviços de um “conveyor”, agente que transfere a propriedade do comprador para o vendedor, e finalizar o processo com a ajuda de um advogado, que pode intermediar a transferência de valores;
4. No Reino Unido, é mais comum a troca de correspondência entre advogados (“notes” ou “missiveis”). Nesta etapa, geralmente o comprador dá um sinal de 10% do valor do imóvel;
5. Na etapa seguinte, chamada “completion”, acerta com o vendedor como será o pagamento do valor restante;
6. Não é obrigatória a participação de um advogado, mas pode ser útil para garantir melhores condições e celeridade na negociação, que pode levar de dois a três meses, segundo o serviço oficial do governo.