DestaqueRio Grande do SulSão LeopoldoSaúde

Fisioterapia como aliada para qualidade de vida

IV Jornada Acadêmica de Fisioterapia movimentou o Campus São Leopoldo nessa quinta-feira, 04/04

Nessa quinta-feira, 04/04, aconteceu a IV Jornada Acadêmica de Fisioterapia, com o tema Inovações e Tecnologias em Fisioterapia. As atividades movimentaram o Campus São Leopoldo e começaram logo cedo, com a palestra sobre o tema principal do evento no Auditório Central.

Publicidade

Durante a manhã, foram debatidos assuntos como a atuação fisioterapêutica em órteses e próteses, a comunicação oral na abordagem terapeuta-paciente e o uso de tecnologias na prevenção de quedas em idosos. À tarde, seis oficinas trouxeram diferentes abordagens dentro da área, mostram como a fisioterapia é uma grande aliada na qualidade de vida das pessoas.

Projeto Skate Anima: uma ideia irada para o tratamento neurofuncional

O fisioterapeuta Stevan Pinto, idealizador do Skate Anima, contou como surgiu a ideia de criar o projeto. “Em 2015, atendi uma paciente e usei o skate. A experiência foi tão legal que eu tive a ideia de fazer um projeto para poder proporcionar isso para todo mundo. A intenção foi adaptar a atividade para diferentes dificuldades, sem restrições”, enfatizou.

Segundo fisioterapeuta, o objetivo da iniciativa foi adaptar o skate para todos, especialmente para crianças, que precisam estar motivadas por brincadeiras e esportes. “O Skate Anima serve de encorajamento para o desenvolvimento de outras ações motoras necessárias para as atividades diárias”, destacou.

Daniel Paniagua faz o acompanhamento terapêutico dos pacientes e coordena o projeto Skate Anima, ao lado de Stevan. Juntos eles atendem, regularmente, duas instituições e fazem encontros mensais em espaços públicos aberto à comunidade. “O projeto começou sendo um braço da fisioterapia e hoje promove a inclusão pelo skate”, revelou.

Giovana Simões, estudantes do curso de Fisioterapia, falou sobre a importância desse tipo de atividade lúdica para área. “É importante destacar as diversas formas de trabalhar com o paciente, mostrando que ele é capaz de muito mais do que imagina, indo além do trabalho feito na clínica, complementando o tratamento com um estímulo diferente, principalmente para crianças”, ressaltou.

Pedro Leonardo Lopes, 6 anos, faz fisioterapia na Clínica Escola da Unisinos e hidroterapia na ACADEF, em Canoas, com estudantes da Atividade Acadêmica de Fisioterapia IV, da Universidade. “O Pedro faz fisioterapia desde os cinco meses, é quase uma obrigação para ele. A hidroterapia e as atividades lúdicas, como essa de hoje, trazem uma grande evolução no tratamento, porque ele se diverte enquanto faz as atividades”, explicou Aline Pilger, mãe do menino.

Durante a oficina, o estudante do curso de Educação Física Yan Bertinati, que é skatista profissional da categoria Down Hill Speed, de descida de ladeira, passou pelo local para conferir a atividade. “Achei surpreendente. Não podia imaginar que pessoas com diferentes limitações conseguissem andar de skate. O projeto serve para as crianças se divertirem e também ajuda na inclusão social e na construção da cidadania. É muito legal”, afirmou.

Avaliação funcional de pacientes crônicos

Na oficina de Avaliação funcional de pacientes crônicos, o fisioterapeuta Thiago Dipp, falou da longevidade humana e como a fisioterapia pode ser aliada dos pacientes crônicos. “As pessoas estão vivendo cada vez mais, por isso, hoje, estão precisando aprender a conviver com mais doenças”, afirmou.

Thiago explicou aos estudantes o objetivo dos testes de campo. “O intuito é avaliar a capacidade de desempenho dos pacientes crônicos, a partir de valores que tem como referência pessoas saudáveis, e avaliar como o uso de medicamentos e a implementação de práticas de exercícios pode reagir e interferir no resultado dos testes. É um trabalho quantitativo”, destacou.

Atuação fisioterapêutica na apneia do sono

A fisioterapeuta do Instituto Golden, Verônica Paiva, falou sobre a atuação do fisioterapeuta no mercado de trabalho e da dificuldade de encontrar profissionais com essa especialização dentro da área. “Quem trabalha com o sono precisa conhecer os distúrbios do sono. Hoje, temos 15 diagnósticos de desordens do sono e uma carência de fisioterapeutas habilitados para trabalhar com esses problemas, por isso a importância de criarmos uma associação de fisioterapeutas especialistas na área”, afirmou.

Durante a oficina, Verônica ainda falou sobre as diferentes fases da vida e que em cada fase, o organismo exige um período de sono diferente. A pesquisadora chamou atenção de que o número de horas dormidas para um bom rendimento pode variar muito de pessoa para pessoa. “Existe uma grande diferença entre o tempo que a pessoa precisa dormir e o quanto ela sente que precisa dormir”, destacou.

O evento foi encerrado com uma mesa redonda onde o tema discutido foi “eletroterapia hoje”, trazendo para o debate vivências e visões de diferentes áreas de atuação, musculoesquelética, neurofuncional e hospitalar. As atividades integraram os estudantes de fisioterapia da Unisinos e de outras universidades, e profissionais da área da saúde.

Confira mais imagens das atividades da IV Jornada Acadêmica de Fisioterapia da Unisinos

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar

Seu navegador está bloqueando os anúncios deste site.

Todo o conteúdo deste portal é 100% gratuito. Os anúncios que exibimos é a forma de manter este veículo de informação independente e comprometido somente com você leitor.