São Leopoldo

Projeto Social de Educação em Direitos

Secretaria de Direitos Humanos de São Leopoldo recebe projeto da Associação dos Defensores Públicos

A secretária de Direitos Humanos de São Leopoldo, Lucimar Pedroso, recebeu o Projeto Social de Educação em Direitos, idealizado pela Associação dos Defensores Públicos do Estado do Rio Grande do Sul (ADPERGS). A entrega foi feita presidente da entidade, Juliana Lavigne, e a coordenadora do projeto, a defensora pública Cristiaine Angelita Johan, na segunda-feira, 15 de abril, no Centro Administrativo.

De acordo com a presidente, o trabalho é um projeto-piloto com o intuito de buscar a educação em direitos nas escolas de ensino fundamental da rede municipal de ensino. “O primeiro passo será em São Leopoldo. Nosso objetivo é difundir conceitos em educação em direito, disponibilizando materiais para buscar uma forma de comunicação acessível”, destacou a presidente da Associação.

Publicidade

Para a escolha do município, a ADPERGS levou em conta a existência da Secretaria de Direitos Humanos e a facilidade de contato com o município. O projeto envolve desde a distribuição de material até realização de encontros e palestras.

Para a secretária, o projeto é de extrema importância no contexto em que se vive no país, no Estado e no mundo. “Há muita violência, turbulência, em que há violação de direitos. As pessoas têm dificuldade de conviver, dificuldade de compreender o que está vivendo, dificuldade de entendimento dos seus direitos, assim como também dos seus deveres”, afirmou.

De acordo com Lucimar Pedroso, as Secretarias de Direitos Humanos e de Educação vão planejar de que forma o projeto pode ser aplicado nas escolas da rede municipal de ensino, seguindo o projeto pedagógico da Smed relacionado aos Direitos Humanos e Cultura da Paz. “Esta iniciativa visa à prevenção com a educação em direitos e vai propiciar aos estudantes o entendimento acerca dos seus direitos, seus deveres para que possam desenvolver a cidadania de forma crítica, de forma empática, de forma pacífica, podendo ser agentes de transformação nos moldes de uma educação mais cidadã, de uma sociedade mais humana e solidária”, destacou. O objetivo do projeto também é voltada para que a partir das informações as crianças e adolescentes possam multiplicar os aprendizados com seus familiares e nos grupos que convivem.

Publicidade
Publicidade

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar