NegóciosSão Leopoldo

Ary Vanazzi impõe mais restrições ao comércio e serviços em São Leopoldo

O prefeito petista se diz preocupado com a falta de leitos de UTI e de analgésicos no município.

Alegando o agravamento na contaminação pelo coronavírus e possível lotação, tanto da área de internação clínica como na UTI Covid do Hospital Centenário, a Prefeitura de São Leopoldo altera o decreto em vigor e determina regras mais rígidas no funcionamento de setores econômicos, igrejas, vias públicas e transporte de passageiros. Só poderão funcionar, com exigências sanitárias, estabelecimentos tidos como essenciais, inclusive aos finais de semana.

Publicidade

Entre as alterações do novo decreto, que entra em vigor nesta quarta-feira, 8 de julho, até dia 14 de julho, estão:

1 – os mercados podem funcionar com lotação de 50% de seu PPCI, além de cumprir exigências sanitárias tanto para clientes como aos seus funcionários.

2 – as academias de ginástica permanecerão fechadas no período.

3 – salões de beleza, barbearias, cabeleireiros e afins também permanecem fechados.

4 – profissionais liberais; como escritórios de advocacia, contabilidade, arquitetura, engenharia, publicidade poderão funcionar com 3 trabalhadores simultâneos, atendendo a uma pessoa por vez, mediante prévio agendamento.

5 – missas e cultos estão suspensos, podendo ocorrer aconselhamento espiritual com uma pessoa por vez. Serão permitidas ”lives” e cultos on line desde que estejam presentes no máximo 6 (seis) pessoas.

6 – fica reduzida em 50% a oferta de vagas no estacionamento da rua Independência, somente o lado esquerdo da via poderá ser usado para estacionar os veículos

7 – a gratuidade no transporte coletivo para pessoas com idade igual ou superior a 60 anos será suspensa entre 6h e 9h e 16h e 19h.

8 – aos finais de semana, somente podem permanecer abertos: clínicas de saúde e veterinárias, farmácias, postos de combustíveis, revendas de água e gás, borracharias e oficinas mecânicas, lojas de conveniência, mercados, supermercados, hipermercados, bares, lancherias, restaurantes e padarias com as regras estabelecidas no decreto anterior .

O prefeito Ary Vanazzi (PT) justificou as medidas restritivas, que valem por uma semana, alegando o agravamento da situação, mas que fará nova avaliação nos próximos dias. Disse ainda temer entrar na bandeira preta devido a lotação na UTI e também a redução no estoque de anestésicos do município.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar

Seu navegador está bloqueando os anúncios deste site.

Todo o conteúdo deste portal é 100% gratuito. Os anúncios que exibimos é a forma de manter este veículo de informação independente e comprometido somente com você leitor.