Pelotas

Índices de criminalidade em Pelotas seguem em queda

Levantamento do Observatório de Segurança Pública analisou os meses de janeiro a maio de 2021 na comparação com mesmo período de 2020

O novo relatório do Gabinete de Gestão Integrada Municipal (GGI-M), que analisa os indicadores para medir os índices de criminalidade em Pelotas, mostrou que tanto os Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI) quanto os Violentos Patrimoniais apresentaram queda de janeiro a maio de 2021, quando comparados ao mesmo período de 2020. O estudo, executado pelo Observatório de Segurança Pública, foi apresentado nesta quinta-feira (17) aos integrantes do GGI-M e à prefeita Paula Mascarenhas.

Durante os meses analisados, todos os tipos de crimes apresentaram redução no seu percentual. São eles:

  • Crimes Violentos Letais Intencionais: -22%
  • Roubo a pedestre: – 31%;
  • Roubo a estabelecimento comercial e financeiro: – 25%;
  • Roubo a transporte público*: – 25%;
  • Roubo de veículos: – 57%;
  • Furto de veículos: – 42%;
  • Roubo a residência: – 50%;
  • Furto a residência: – 65%; e
  • Apreensão de armas de fogo: – 62%.

* A análise considera o roubo a transporte público: roubo a transporte coletivo; roubo a motorista de lotação; roubo a passageiro de transporte coletivo/lotação; roubo a motorista de táxi; roubo a motorista de aplicativo.
Durante o encontro virtual do GGI-M, a prefeita agradeceu o trabalho realizado por mais um mês pelas forças de segurança e destacou a importância da análise acerca dos índices criminais.

“Esse trabalho nos auxilia a acompanhar a situação na cidade e prestar contas para a sociedade. Temos um desafio de manter esses números positivos e, ao mesmo tempo, realizar a fiscalização nesta pandemia. Vamos intensificar esse processo e inovar o combate”, afirmou a gestora.

Esses números positivos de Pelotas contribuíram para que o Rio Grande do Sul, pelo sétimo mês seguido, tenha registrado redução da taxa de homicídios. De acordo com dados divulgados pela Secretaria de Segurança Pública, a queda em maio foi de 29% na comparação com o mesmo período de 2020.

Para o titular da 18º Delegacia Regional de Polícia, Márcio Steffens, essa queda ocorre em função das ações pontuais desenvolvidas por cada força de segurança, de acordo com suas atribuições. “No caso da Polícia Civil, são as operações realizadas pelas delegacias, que garantem, principalmente, uma repressão muito prioritária ao tráfico de drogas, que possuem relação direta com os crimes contra a vida e patrimoniais. Existem, ainda, as Operações Integradas, que dão uma sensação de segurança para a sociedade e colhem esses resultados positivos que estamos vendo”, avaliou o delegado.

A diminuição dos índices de criminalidade, conforme destaca o comandante do 4º Batalhão de Polícia Militar (4º BPM), tenente-coronel Márcio André Facin, vem acontecendo de maneira exitosa desde 2017, oriundo da integração que ocorreu na área da segurança pública com a criação do Pacto Pelotas pela Paz. “Essa integração que temos hoje nos possibilita distribuir os efetivos de maneira a propiciar a comunidade o melhor atendimento possível”. completou.

O secretário interino de Segurança Pública, José Apodi Dourado, cita as reuniões semanais com os comandos das áreas de segurança e fiscalização como um dos fatores que contribuíram para essa diminuição. Isso porque, a partir da análise dos dados de criminalidade – com o apoio do Observatório – é possível entender a criminalidade no município, o que permite concentrar esforços em crimes e locais específicos, por exemplo.

“As forças de segurança têm trabalhado intensamente no combate à criminalidade na cidade, e acreditamos que a obtenção deste resultado se deve à grande integração, tanto da segurança, quanto das partes da prevenção nas quais o Pacto Pelotas Pela Paz tem papel preponderante”, afirmou Dourado.

Avaliações de antes e depois do Pacto

Em um acumulado de 37 meses após as ações de repressão focada do Pacto Pelotas pela Paz, houve uma diminuição de 50% de crimes contra a vida no município, a partir da implantação de um trabalho de dissuasão focado, em maio de 2018. A comparação feita foi entre o período de abril de 2015 a abril de 2018 (330 delitos registrados), com os meses de maio de 2018 a maio de 2021 (165 delitos registrados). Foram preservadas, então, 165 vidas.

O relatório mensal do GGI-M traz também uma avaliação da quantidade de crimes registrados 45 meses antes e 45 meses depois das ações do Pacto. Foram prevenidos: 98 CVLIs; 3.122 roubos a pedestre; 388 roubos de veículos; 1.021 roubos a estabelecimento comercial e financeiro; 382 roubos a transporte público; e 93 roubos a residência.

Publicidade

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo